Article
Product Certifications

Cultivo de soja convencional agrega valor à produção

Apesar da maioria da soja cultivada no Brasil ser de variedades transgênicas, continua a existir um mercado para a soja convencional, que não é transgênica ou OGM (Organismo Geneticamente Modificado).

O Brasil pode apostar mais no plantio de soja convencional (também conhecida como soja livre ou não-OGM), para atender à demanda de exportação de produtos não transgênicos, que são mais valorizados. Só para se ter uma ideia do potencial desse mercado, a Europa tem uma demanda anual de 4 milhões de toneladas e a China, de 5 milhões de toneladas. Mas por que isso não ocorre?

A soja convencional ganha espaço

Livre da taxa tecnológica dos OGMs, com produtividade competitiva e possibilidade de bonificação especial, a soja convencional vem recuperando seu espaço e se tornando uma opção atraente para o produtor.

Cultivares como a BRS 284 ganham sucessivos concursos nacionais de produtividade onde concorrem em condições de igualdade com as tecnologias hoje disponíveis.

Em 2017, a Embrapa, procurada pelo setor produtivo, ajudou a organizar o programa Soja Livre, que surgiu com o objetivo de garantir a liberdade de escolha ao produtor rural que enfrentava dificuldades de acesso às sementes convencionais no mercado.

Por que apostar na soja convencional?

Apesar de todo o potencial e do crescente interesse mundial, relativamente poucos produtores brasileiros se dedicam ao cultivo da soja convencional.

Na safra 2016/2017, o País produziu 5 milhões de toneladas de soja convencional em 2,2 milhões de hectares, segundo o Instituto Soja Livre, criado em 24 de julho do ano passado (2017) pela Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Grosso (Aprosoja) e a Embrapa. No mesmo ciclo, o Brasil colheu 114,1 milhões de toneladas de soja OGM em 33,9 milhões de hectares.

O destaque na produção de soja convencional é o estado do Mato Grosso, com 1,2 milhão de toneladas, o equivalente a 13% do total, de acordo com o Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea).

Segundo o mesmo órgão, são muitos os desafios para se manter esse mercado. Um deles é a obrigatoriedade de isolamento da cultura, para que ela não se misture com a soja transgênica durante o cultivo e no transporte para os portos. O outro é a baixa disponibilidade de sementes melhoradas da variedade não OGMs.

O Mato Grosso oferece a logística necessária para manter a soja convencional sem misturar com a transgênica. A maior parte dessa soja livre é exportada via vários portos, inclusive com modais para o norte como Porto Velho a Manaus, Itacoatiara, Santarém, Santana, além de de Vitória, Santos e Paranaguá. Em alguns portos, há exportadores que apenas lidam com soja convencional, tornando assim mais fácil manter a segregação.

Esse esforço extra investido na produção da soja convencional é compensado pelos compradores, que pagam um prêmio adicional.

Embora a demanda pela oleaginosa não-transgênica seja pequena em comparação com a soja OGM, espera-se que permaneça forte e cresça, já que a demanda na Europa e na China é significativa.

grãos de soja com uma pequena semente de soja brotando no meio

Benefícios da soja convencional

Os benefícios da soja convencional certificada para o meio ambiente são a manutenção da biodiversidade e o alto valor de conservação, melhoria no solo e qualidade da água, redução da poluição e a menor produção de resíduos, menores impactos sobre a saúde e o meio ambiente, por meio do emprego de boas práticas agrícolas, e gestão social com o cumprimento de direitos humanos e trabalhistas, dentro outros.

Em termos econômicos, as principais vantagens para os produtores são as oportunidades de acesso aos mercados internacionais e aos programas de financiamento, redução dos custos, devido ao maior controle sobre os insumos, e a possibilidade de recebimento de bônus decorrente da venda de material certificado.

O prêmio médio para ao produtor, por saca, é de 15% em relação à soja transgênica, de acordo com o Instituto Soja Livre.

A Certificação

O Padrão de Certificação ProTerra para soja está vigente desde 2006, sendo usado em soja do Brasil para vários países, e  na Argentina, Canadá e de países do Leste Europeu, para vários destinos.

A FoodChain ID como uma empresa de Certificação e Análises faz um trabalho de verificação e certificação através do Padrão ProTerra desde 2006, e tem realizado esforços extensivos e intensivos para apoiar a integridade da certificação sob a supervisão da Fundação ProTerra. Um dos desafios com que se depara é a extensão do território da soja e o número de produtores.

Diante da impossibilidade de auditar cada produtor agrícola no Brasil ou na Argentina – pode haver centenas ou milhares de produtores fornecendo para um determinado processador industrial, a FoodChain ID utiliza uma metodologia de amostragem estatística para a auditoria de fazendas criada pelo Padrão ProTerra em 2005. Entretanto, há várias maneiras de verificar cumprimento com o padrão, de todos os fornecedores, como imagens de satélite das propriedades datadas, e organizações que fornecem informações sobre produtores, bem como as agências governamentais com o MAPA, Ibama, SEMA e outras, que de ser agregadas ao processo de auditoria e verificação, para certificar a produção.

Isso permite que se façam inferências sobre o grupo maior de fornecedores. É o método de amostragem mais avançado e abrangente empregado na certificação. A amostragem é desenhada para cobrir o maior volume de fornecimento. As não-conformidades são relatadas ao produtor e ao processador industrial, para as ações corretivas.

Se os indicadores principais forem violados, como os de desmatamento ou responsabilidade social, o produtor é retirado da lista de fornecedores aprovados e o processador industrial informado para agir.

O aumento da demanda depende dos mercados compradores. Assim, os supermercados europeus estão na ponta da demanda e são quem tem mais poder de influenciar a alinhar o mercado. A Fundação ProTerra está promovendo uma conferência internacional em Bremen, Alemanha, em 30 de Janeiro de 2019, para promover esse diálogo multisetorial e gerar mais demanda para setores ainda a descoberto com respeito a alimentação com ração Não-OGM, como o setor de suínos (https://www.proterra-soy-conference.org/).

Mantenha-se atualizado com nosso boletim informativo

Artigos interessantes

Article
Product Certifications

Desvendando os Organismos Geneticamente Modificados (OGM) e o Papel do Non-GMO Project Verified

Article
Product Certifications

Iniciativa Global de Segurança de Alimentos (GFSI)

Article
Product Certifications

FoodChain ID Brazil participa do comitê de imparcialidade do fambras halal

Article
Product Certifications

Reseed e FoodChain ID anunciam parceria inovadora que promove a transparência para práticas sustentáveis na cadeia de suprimentos agroalimentar global

Article
Product Certifications

A importância da Certificação Não-OGM para Cana-de-Açúcar

Article
Product Certifications

Participe do Seminário Regional SQF para a América Latina