Article
Product Certifications

Soja convencional para um mercado disposto a pagar mais por produtos sustentáveis

O cultivo da soja convencional vem perdendo espaço nas lavouras do Brasil. Mas, esse quadro pode mudar caso a União Europeia confirme seu crescente interesse pelos alimentos não transgênicos. Ou, melhor ainda, que a Alemanha decida transformar a suinocultura daquele país com animais alimentados com ração contendo farelo de soja convencional.

De acordo com o Instituto Soja Livre, os produtores precisam persistir nesse plantio.  O presidente do instituto, Endrigo Dalcin, participou no início desse ano da 4° Conferência Internacional da Soja Não Transgênica, em Bremen na Alemanha, e ficou animado com as perspectivas para o mercado do grão convencional.

Segundo ele, os supermercados que já exigem que os criadores utilizem farelo de soja não transgênico para alimentar as aves, poedeiras e de corte, e as vacas leiteiras. Idealmente, devem estender essa exigência também para o caso dos suínos. E isso deve elevar a demanda pelo grão e aquecer o mercado.

É bom lembrar também o Brasil é o país com maior potencial no mundo para o cultivo e fornecimento de variedades de soja convencional, inclusive de alto rendimento e conteúdo de proteína, que atende o segmento exportador para países europeus e asiáticos.

Previsão de aumento na demanda de proteínas vegetais

Em abril deste ano, foi divulgado o Global Protein Ingredients, com várias Informações sobre mercado, fatias de mercado, tendências, análises e previsões de 2019 a 2025.

Segundo o Relatório, o mercado de ingredientes proteicos deve atingir US $ 48,77 bilhões até 2025. A crescente demanda por alimentos ricos em nutrientes, provocada principalmente pela conscientização da saúde entre os consumidores, impulsionará o mercado de plantas e laticínios, uma vez que estes ajudam a reduzir o risco de diabetes e doenças cardiovasculares.

Ingredientes de proteínas vegetais e lácteos foram aprovados para uso pela Food and Drug Administration (FDA) dos EUA e aprovados como ingredientes essenciais pela União Europeia e outros países ao redor do mundo, incluindo Japão, Austrália e Canadá. Espera-se que a presença de regulamentações governamentais favoráveis ​​em várias regiões impulsione a demanda por proteínas vegetais e lácteas durante o período estimado.

As proteínas de soja são empregadas principalmente em bebidas e ingredientes funcionais em vários alimentos, embutidos de carne por exemplo. A crescente demanda dessas áreas de aplicação, os avanços tecnológicos e as inovações de produtos são esperados como os principais impulsionadores para o mercado de ingredientes proteicos durante o período projetado.

Além disso, iniciativas como Sustentabilidade Internacional e Certificação de Carbono e Iniciativa para Soja Sustentável e Mesa Redonda sobre Soja Responsável resultaram no posicionamento proativo da soja como uma fonte de proteína sustentável.

Ainda segundo o relatório, as proteínas animais lideraram o mercado mundial de ingredientes proteicos, representando mais de 73% de participação de mercado em termos de receita em 2018.

Soja convencional para um mercado disposto a pagar mais por produtos sustentáveis

Consumidor cada vez mais exigente

Uma recente pesquisa on-line da Nielsen Company descobriu que os consumidores estão cada vez mais dispostos a pagar mais por produtos socialmente responsáveis.

66% dos entrevistados dizem que estão dispostos a pagar mais por produtos e serviços que vêm de empresas comprometidas com um impacto social e ambiental positivo, acima dos 55% em 2014 e 50% em 2013.

Para verificar como o compromisso social e ambiental interfere no comportamento do consumidor, a Nielsen entrevistou 30.000 consumidores em 60 países em todo o mundo e pediu que indicassem quais fatores influenciaram mais os hábitos de consumo de produtos como alimentos, bebidas, produtos de higiene pessoal e remédios.

Além da confiança da marca, os consumidores procuram produtos que sejam bons para eles e bons para a sociedade. Os benefícios de saúde e bem-estar de um produto influenciam a decisão de compra para mais da metade dos entrevistados da pesquisa (59%). Produtos feitos com ingredientes frescos, naturais e/ou orgânicos têm peso semelhante com os consumidores (57%).

Outras constatações da pesquisa da Nielsen:

Os consumidores da América Latina, Ásia, Oriente Médio e África estão entre 23% a 29% mais dispostos a pagar mais por produtos sustentáveis ​​do que os países desenvolvidos.

Quase três dos quatro entrevistados estão dispostos a pagar mais por ofertas sustentáveis, em comparação com cerca de metade em 2014.

As marcas que usam uma abordagem de sustentabilidade de mercado, incluindo alimentos para bebês (85%), café (78%), chá (61%) e lanches (60%), representam a maioria das vendas avaliadas nessas categorias, respectivamente. Portanto, tudo leva a crer que os setores do agronegócio, que acreditam e apostam na soja convencional sustentável podem esperar aumento na demanda no setor de alimentos.

Mantenha-se atualizado com nosso boletim informativo

Artigos interessantes

Article
Product Certifications

Desvendando os Organismos Geneticamente Modificados (OGM) e o Papel do Non-GMO Project Verified

Article
Product Certifications

Iniciativa Global de Segurança de Alimentos (GFSI)

Article
Product Certifications

FoodChain ID Brazil participa do comitê de imparcialidade do fambras halal

Article
Product Certifications

Reseed e FoodChain ID anunciam parceria inovadora que promove a transparência para práticas sustentáveis na cadeia de suprimentos agroalimentar global

Article
Product Certifications

A importância da Certificação Não-OGM para Cana-de-Açúcar

Article
Product Certifications

Participe do Seminário Regional SQF para a América Latina